Páginas

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

ENQUANTO CAMINHA O SOL




“Olha aquela! Parece um sapo” falava Ana, apontando para uma nuvem que flutuava placidamente no céu azul. Soprava uma brisa suave e o sol brilhava radiante, mostrando-se como em uma renda através das alvas nuvens. “Tá mais pra um piano” respondeu Luís, concentrando-se no ponto para o qual a amiga apontava. “Piano? Você fumou o quê? É um sapo. Olha a cabeça, as pernas...” respondeu a garota, sentando-se no chão e apontando com ainda mais afinco para a nuvem-sapo. “Ah, é essa? Pensei que você estava apontando para aquela. Realmente parece — um pouco — com um sapo”.
                — Cala a boca! Parece muito com um sapo! Você está querendo tirar onda com a minha cara! — esbravejou Ana, irritada, jogando terra no amigo.
                — Sempre estou tentando tirar onda com a sua cara, você deveria saber disso — Luís respondeu enquanto tirava uma folha de grama dos lábios.
               — Foi isso que você tentou fazer com ele? — perguntou a garota, sem tirar os olhos do horizonte.
               — Isso o quê? E de quem você está falando?
             — Não se faça de besta! Você sabe do que estou falando. Todo mundo da escola está dizendo que o Caio deu uma surra em você.
“É isso? Como tem gente mentirosa naquela escola. Nós não brigamos. Ele não conseguiu encostar um dedo em mim...” esclareceu o garoto em um tom arrogante, com a feição de quem havia acabado de salvar o planeta. “Claro que ele não bateu em você, a diretora chegou antes”.
— Se você sabia o que aconteceu, então por que veio dizer que ele deu uma surra em mim? — perguntou Luís, exaltando-se.
— Foi só pra tirar onda com a tua cara — respondeu a garota com um sorriso expandindo-se em sua face. — E, de qualquer jeito, se aquele babaca tivesse mesmo batido em você, ele ia ver só uma coisa.
— Ia? Como assim?
— Eu iria atrás daquele bundão e daria uma bela surra nele — respondeu Ana, apertando os olhos e fazendo cara de brava.
— Você? Mas você não passa de uma garota — Luís opinou, entre uma gargalhada e a incredulidade.
— Exatamente. Assim ele não poderia fazer nada comigo. Quero ver se ele teria coragem de bater numa menininha inocente — ela rebateu, falando em tom meigo.
— Tá meio difícil alguém acreditar que você é uma “menininha inocente” — contestou o garoto, olhando apático para uma formiga que andava perto dos seus pés. — Você faria mesmo isso por mim? — ele perguntou, sem erguer os olhos do chão.
— Claro que faria! Você é meu melhor amigo. Eu faria qualquer coisa por você — respondeu Ana quase gritando, mas depois se envergonhou, e também ficou olhando para o chão, procurando sua própria formiga.
Um longo silêncio planou entre os dois, até que Luís decidiu quebra-lo. “Mas aquela nuvem, definitivamente, não era um sapo”. “IDIOTA!” gritou Ana, pulando sobre ele como uma fera. Enquanto ela enfiava tufos de grama na boca dele, Luís sujava os cabelos dela com qualquer coisa que estivesse ao alcance de suas mãos. O sol permaneceu a vagar pelo céu, derramando vida sobre a terra, e abençoando aquilo que nem o tempo pode destruir. E a história continuou.


Dedico este conto para Aline Luisa,
a garota que me ensinou que a amizade é uma guerra,
onde, para vencer, é necessário render-se.

4 comentários:

Jefferson Reis disse...

Que conto bonito. Senti saudade de ser criança. Eu gostaria de ainda ter amigos de infância. Ótima imagem esta, ilustrando o post. Sou pottermaniaco, rsrs

Pedro Lourenço disse...

Nós podemos arranjar amigos de infância a qualquer momento da vida, eu acho, mas a medida em que o tempo vai passando, vai ficando mais difícil.
PS.:POTTERMANIACO ATÉ MORRER!! \o/

Aline Luisa Nascimento Alves da Silva disse...

Ficou mais lindo ainda porque foi para mim.

Claudio Chamun disse...

Super super!
Emocionante.
Amizade verdadeira o tempo não destrói e a distância não separa.

Abraço amigo.